Sintomatologia da COVID-19: alimentação uma aliada

A alimentação e hidratação são elementos chave para o organismo dar resposta a uma infecção respiratória, como a COVID-19. Emerge assim, o seu papel na sintomatologia da COVID-19, que inclui febre, tosse, dificuldade respiratória, fraqueza, alterações do olfato e do paladar e, sintomas gastrointestinais (diarreia, vómitos).

 

Pode provocar perda de apetite, dificultando uma alimentação adequada, e consequentemente uma ineficiência no aporte das necessidades nutricionais. Manifesta assim, uma elevação das necessidades energéticas e nutricionais do organismo, resultante da tentativa de assegurar uma resposta imunitária eficiente no combate ao vírus.

 

Primazia a importância de suprir as necessidades energéticas e nutricionais, dado que, o organismo sem nutrientes suficientes, nomeadamente, energia, proteína, vitaminas e minerais, irá utilizar as reservas, designadamente, o tecido muscular, por forma a obter uma fonte de energia alternativa.

 

Naturalmente, poderá despoletar uma redução da força dos músculos respiratórios e dificuldades respiratórias. Para fazer face a tal, é categórico uma alimentação saudável e adequada, particularmente em termos de energia e proteína, para evitar a perda da massa muscular.

 

Adita que, os sintomas da COVID-19, como a febre e os sintomas gastrointestinais, elevam as necessidades de hídricas/água, tornando-se fundamental, assegurar uma adequada hidratação, durante uma infeção respiratória.

 

Face às alterações de paladar e olfato é indicativo:

– Optar por alimentos frios ou à temperatura ambiente;

– Adicionar condimentos (ervas aromáticas e especiarias), pois estimula o gosto;

– Se sentir a comida com um sabor metálico, optar por comer com utensílios de plástico.

 

Em situações de tosse deve:

– Tentar sentar-se na posição vertical enquanto come, evitando inclinar-se ou sentar-se em cadeiras reclináveis;

– Evitar usar palhinha, pois pode forçar o líquido a entrar rapidamente na parte posterior da boca e causar tosse;

– Evitar alimentos muito quentes ou muito frios;

– Preferir alimentos macios e húmidos que reduzam a irritação na garganta.

 

No que reporta, a sintomas gastrointestinais é basilar:

– Reforçar a hidratação;

– Em caso de diarreia, evitar alimentos ricos em gordura ou condimentados, alimentos com lactose, alimentos que provoquem flatulência e bebidas com gás, cafeína ou álcool.

 

Em situações de falta de apetite deve:

– Fazer refeições frequentes ao longo dia e de menor volume;

– Enriquecer nutricionalmente os alimentos, dando preferência a alimentos com elevada densidade energética e nutricional.

 

É recomendado uma alimentação e nutrição adequadas e adaptadas à sintomatologia, uma mais-valia para uma recuperação mais rápida.

 

Se necessitar da nossa ajuda, fale connosco ou agende uma consulta de Nutrição.